A primeira das Primeiras Páginas da Folha

Veja o que o jornal publicou na capa da primeira edição, no dia 19 de fevereiro de 1921

Navegue pelos destaques da página

Estreia vespertina

A primeira edição do jornal fundado por Olival Costa e seu sócio Pedro Cunha chega às ruas em 19 de fevereiro com o título “Folha da Noite”, oito páginas e uma única foto, que ilustra um texto irônico sobre o largo de São Bento, no centro de São Paulo –endereço da Redação à época. A capa traz o programa editorial e quatro notícias.

1º.jul.1925

Aurora modernista

Pouco mais de quatro anos após a estreia da “Folha da Noite”, os sócios do jornal lançam em 1925 um diário matutino, a “Folha da Manhã”. Mais sóbria do ponto de vista editorial, a nova publicação mostra na concepção gráfica certa influência do modernismo, movimento de renovação estética eclodido em 1922.

1 Um quarto da primeira página é ocupado por uma charge do Belmonte.

17.jul.1934

A voz do agricultor

Em janeiro de 1931, as “Folhas” são compradas pelo cafeicultor Octaviano Alves Lima, que prioriza a defesa dos interesses da lavoura, defende o liberalismo e se opõe ao Estado Novo. A tiragem diária dos dois jornais sobe de 15 mil para 80 mil exemplares. A composição continua manual, é feita letra por letra até obter uma matriz em alto-relevo a ser usada para a impressão.

13.abr.1945

Rotativas e inovação

Em março de 1945, o controle acionário passa para as mãos de José Nabantino Ramos, que adota a imparcialidade como política editorial.

Quatro anos depois, o processo de impressão ganha velocidade com chegada do linotipo, que permite que um operador faça o serviço de oito compositores manuais, e a empresa lança o terceiro título, a “Folha da Tarde”. Até o final dos anos 1950, Nabantino implementa medidas de profissionalização, como contratação por concursos e controle de erros de informação.

10.dez.1958

Nova casa, novo caderno

Em 1950, a impressão das “Folhas” passa para o prédio ainda em construção entre as alamedas Barão de Campinas e Barão de Limeira. Três anos depois, administração, Redação, publicidade e oficinas também são transferidas para o edifício, atual sede da empresa.

Em 1958, começa a circular a “Ilustrada”, caderno sobre cultura e variedades. A Folha já fazia cobertura de assuntos culturais desde 1921, mas não havia um caderno específico que agrupasse o tema e facilitasse a leitura.

1º.jan.1960

Três jornais, uma história

Em 1º de janeiro de 1960, a fusão dos três jornais (“Folha da Manhã”, “Folha da Tarde” e “Folha da Noite”) dá origem a um novo título, “Folha de S.Paulo”. No ano seguinte, é lançado o slogan “Um jornal a serviço do Brasil”.

Os empresários Octavio Frias de Oliveira (1912-2007) e Carlos Caldeira Filho (1913-1993) assumem o controle acionário em agosto de 1962 e, ao mesmo tempo que lidam com os problemas financeiros, investem na expansão da empresa.

28.jan.1968

Revolução tecnológica

Em 1967, a Folha dá início à modernização do seu parque gráfico, que a colocaria na liderança da imprensa diária brasileira nos anos 1980. O jornal é pioneiro na impressão offset em cores, usada em larga tiragem pela primeira vez no país. A primeira edição completa no sistema offset foi a de 28 de janeiro de 1968. Com o novo equipamento, a Folha publica mais imagens que os concorrentes e com muito mais nitidez. Também imprime grandes volumes em menos tempo, com menor custo e menos perdas.

2.fev.1974

Pluralidade aprimorada

O jornal abandona, em 1971, a composição a chumbo e adota o sistema de fotocomposição, pioneiro no Brasil, que compunha eletronicamente as linhas de texto, antes montadas letra a letra com tipos metálicos. A diagramação se aperfeiçoa e o jornal se aprimora graficamente nessa década.

Em 1976, é criada na página 3 a seção “Tendências/Debates”, pautada pelo princípio da pluralidade. A publicação de artigos de todos os matizes ideológicos desempenha papel importante no processo de redemocratização do Brasil.

26.abr.1984

Também crítico, apartidário e moderno

O documento “A Folha e alguns passos que é preciso dar”, de 1981, é o embrião do primeiro Projeto Editorial do jornal. Publicado internamente em 1984 e em livro no ano seguinte, o texto defende um jornalismo crítico, pluralista, apartidário e moderno. Pouco antes, a Folha havia se tornado a primeira Redação informatizada na América do Sul com a instalação de terminais de computador, o que leva a uma economia de 40 minutos no processo de produção.

1 A Folha noticia a derrota das Diretas, em 26 de abril de 1984, com rara manchete em maiúsculas.

18.dez.1989

Rápido de ler, bonito de ver

Na segunda metade dos anos 1980, a Folha passa a ser totalmente organizada em cadernos e lança o “Cotidiano”. O jornal implementa uma diagramação em módulos –infográficos, fotos e textos são alinhados. As páginas se tornam mais simétricas e ganham em clareza e rapidez na leitura. Em 1989, é adotada uma nova letra, a Times. O tamanho dela aumenta em 10% e o espaço entre as linhas, em 15%.

30.set.1992

O maior aos domingos

Em 1990, são introduzidas as paginadoras Harris, que permitem a montagem eletrônica das páginas, eliminando o processo manual de paste-up. Dois anos depos, o empresário Octavio Frias de Oliveira passa a deter a totalidade do controle acionário. A Folha se consolida como o jornal com a maior circulação paga aos domingos (média de 522.215 exemplares). Para facilitar a leitura, é feita uma reestruturação gráfica, e a Primeira Página passa a circular colorida todos os dias.

1 A Folha é o primeiro órgão da imprensa brasileira a pedir o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello.

14.ago.1994

Líder em vendas

Com o lançamento do “Atlas Folha/The New York Times” em fascículos, a Folha bate recorde de tiragem e de vendas na história de jornais e revistas do país no dia de lançamento (1.117.802 exemplares) e nas semanas subsequentes.

O parque gráfico –o CTG-F (Centro Tecnológico Gráfico-Folha)–, construído em Tamboré, na Grande São Paulo, começa a funcionar em 1995, possibilitando, no ano seguinte, pela primeira vez o uso de cores em 75% das páginas do jornal.

9.jul.1995

Cai na rede

Em 9 de julho de 1995, entra no ar a “Folha Web”, uma sinopse diária das reportagens disponível para os usuários da internet, marcando a primeira iniciativa do Grupo Folha na área digital.

25.mai.1999

Em cores

Em 1996, o projeto gráfico muda e os cadernos passam a ser identificados por cores. A Folha adota a família das letras Folha Serif, criada para o jornal. No ano seguinte, um novo projeto editorial traz intenções para o futuro do jornal –jornalismo mais interpretativo, complexo, desestatizado e humano. Em 1999, é lançado o diário “Agora” em substituição da “Folha da Tarde”. Os principais jornais brasileiros mudam de tamanho, a largura das páginas é reduzida em 2,54 cm, seguindo tendência de diários estrangeiros.

10.ago.2000

Notícia a quente

O IVC (Instituto Verificador de Circulação) mostra, em 2001, que a Folha Online, criada no ano anterior, é o site de notícias com o maior número de leitores na internet brasileira.

12.set.2001

Cobertura especial

1 2No dia seguinte ao maior ataque terrorista da história contra os EUA, em 11 de setembro de 2001, A Folha circula com uma nota na capa em que informa a organização diferenciada de seus cadernos e seções em razão da cobertura especial dos atentados com aviões comerciais que mataram quase 3.000 pessoas.

Nesse mesmo ano, é lançada a quarta edição do novo Manual da Redação, versão revista e ampliada das edições anteriores (publicadas em 1984, 1987 e 1992).

1º.jul.2002

A maior vitória

O pentacampeonato da seleção brasileira de futebol, em 1º de julho, é noticiado numa capa essencialmente gráfica, com duas grandes fotos e título em letras maiúsculas. A foto maior se sobrepõe à manchete, escolha tão incomum como a opção pelo ponto de exclamação. Uma edição extra circula à tarde com a vitória do Brasil na Copa da Coreia do Sul e do Japão.

1 No mesmo dia da conquista do penta, o líder espírita Francisco Cândido Xavier morreu, aos 92 anos, na cidade de Uberaba (MG), no Triângulo Mineiro. O médium teve uma parada cardíaca em casa.

06.jun.2005

Mensalão entra para a história

Em entrevista à Folha, em junho de 2005, o então deputado federal Roberto Jefferson denuncia um esquema de compra de apoio de parlamentares. Segundo ele, a cúpula petista pagava R$ 30 mil por mês para congressistas votarem a favor do governo. O mensalão foi o maior esquema de corrupção do governo Lula e a reportagem, vencedora do Prêmio Esso de Jornalismo.

05.nov.2008

Vitória dinâmica

O visual do jornal é repensado, em 2006, para permitir leitura rápida, com diferentes entradas de texto por página e uso intenso de fotos e artes. Dois anos depois, é criada a “Folha Corrida”, uma página fixa, na contracapa de Cotidiano, que traz notícias curtas.

1 Em novembro de 2008, o democrata Barack Obama é eleito presidente dos EUA. Filho de um queniano com uma americana, ele foi o primeiro negro a ocupar a Casa Branca.

1º.nov.2010

Uma só Redação

As Redações do jornal impresso e on-line são unificadas, em 2010, e uma nova reforma gráfica reforça a unidade entre os cadernos. Novos recursos ampliam o destaque dos textos de análise e perfis.

1 Em outubro, Dilma é eleita a primeira mulher a ocupar a Presidência da República. Ex-guerrilheira, a petista nunca havia disputado eleição e era praticamente desconhecida dos eleitores quando foi escolhida candidata pelo presidente Lula.

2A eleição da primeira mulher ao planalto abriu discussão sobre a nomenclatura do cargo, se presidente ou presidenta. Como ambos são corretos, a Folha adotou a forma mais usada, que é presidente.

17.dez.2011

Multimídia

O jornal é rebatizado na internet, em 2010, como Folha.com, ganha 30% de área editorial, dobra o espaço para vídeos, fotos e áudios e é atualizado 24 horas por dia. Novo desenho e novas seções são concebidas para facilitar a navegação do site.

10.out.2012

Colarinho branco

Sete anos e quatro meses após o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) revelar à Folha a existência do mensalão, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal condena, em 2012, José Dirceu (PT), então ministro da Casa Civil e homem forte do governo Lula, e integrantes da cúpula do PT por esquema de corrupção de compra de votos no Congresso.

Nesse ano, o site passa a ter o mesmo nome e logotipo que o jornal, que é o primeiro do país a adotar "paywall" poroso, sistema que oferece ao leitor acesso gratuito a um número limitado de reportagens.

20.jun.2013

Telejornalismo premiado

O “TV Folha” é pioneiro no uso jornalístico de câmeras de vídeo “embarcadas” em drones para captar os protestos que se espalham pelo país por 13 dias consecutivos em junho de 2013 e forçam governos de São Paulo e do Rio a cancelar o reajuste dos transportes. O programa recebe o Prêmio Esso de "Melhor contribuição ao telejornalismo" pela cobertura das manifestações.

09.jul.2014

O maior vexame

Em fevereiro de 2014, a Folha lança campanha publicitária e publica “O que a Folha pensa”, sobre os principais pontos de vista defendidos pelo jornal.

Anfitriã, a seleção brasileira de futebol perde de 7 a 1 para Alemanha na semifinal da Copa do Mundo, no Mineirão. Para registrar a maior derrota da história do time, a manchete, em letras maiúsculas, é impressa em negativo sobre a foto em seis colunas.

26.out.2014

Recorde de audiência

No dia do segundo turno das eleições de 2014, a Folha foi o primeiro veículo a anunciar que a presidente Dilma estava reeleita, com base em projeção do Datafolha feita a partir da apuração do TSE. O jornal bate em outubro o recorde de audiência digital. Pela primeira vez, o site ultrapassa a casa de 30 milhões de visitantes mensais únicos –o número final foi 33,5 milhões.

18.dez.2014

Fim da turbulência

Em anúncio histórico, no dia 17 de dezembro de 2014, EUA e Cuba reatam relações diplomáticas após 53 anos de hostilidades.

A Folha fecha o ano com 4,8 milhões de seguidores no Facebook (o maior número entre os jornais brasileiros) e 2,3 milhões no Twitter.