Exponencial

Era um, eram dois, eram três, e logo os delatores foram dezenas e, agora, centenas; a cada novo acordo, alvos de multiplicam numa escalada que parece longe de terminar

2014

A operação começou no Paraná com uma investigação sobre doleiros e operadores. Logo chegou a um ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Políticos e empreiteiros foram delatados por Costa e pelo doleiro Alberto Youssef, ampliando o foco das investigações

12

Acordos de delação premiada da Lava Jato

Alberto Youssef

Explicou em depoimento como funcionava o esquema e mencionou dirigentes da Petrobras, empreiteiras e políticos como José Dirceu (PT) e Eduardo Cunha (PMDB)

Paulo Roberto Costa

Primeiro delator da Lava Jato, contou que recebeu propina da Odebrecht, citou os senadores do PMDB Renan Calheiros e Romero Jucá e originou uma série de outras delações

2015

As delações do ano anterior deram origem a investigações de 50 políticos, mas até hoje apenas cinco tornaram-se réus por decisão do STF. O conteúdo das delações do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, e do lobista Julio Camargo vieram a público

33

Ricardo Pessoa

O empreiteiro citou quase 20 políticos, entre eles os petistas Dilma Rousseff, Lula e Fernando Haddad, além do ex-presidente Fernando Collor (PTC)

Julio Camargo

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) foi o principal citado pelo lobista, que revelou pagamentos de propina em contratos da Petrobras

2014

As delações do ex-senador Delcídio do Amaral, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de representantes da empreiteira Andrade Gutierrez mencionaram dezenas de políticos. Além dos já citados, apareceram o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB)

106

Hilberto Mascarenhas

O delator disse que um departamento da empresa movimentou cerca de US$ 3,4 bilhões de 2006 a 2014 em pagamentos a políticos e empresários

Emílio e Marcelo

Odebrecht (foto)

Patriarca e herdeiro da empresa, eles relataram décadas de relacionamento com a elite política do país e várias ilegalidades cometidas em contratos com governos e campanhas eleitorais

DELATORES DA ODEBRECHT

As 78 delações da Odebrecht que vieram a público este mês foram firmadas no fim de 2016. O conteúdo delas resultou na abertura de 76 inquéritos para investigar no STF 98 políticos ou nomes ligados a eles. No total, foram citadas mais de 400 pessoas, que podem ser investigadas em outras instâncias judiciais

Balanço dos investigados no STF

Por partido

PT

20

PMDB

17

PSDB

13

PP

9

PSD

6

DEM

5

PR

4

PSB

4

PCdoB

3

PRN

3

PMN

1

PPS

1

PTC

1

PTdoB

1

SD

1

Por Estado

SP

17

BA

12

RJ

8

AM

5

PE

5

RS

5

SC

4

AL

3

MG

3

RN

3

AC

2

CE

2

GO

2

MA

2

MS

2

PB

2

PI

2

0

PR

2

RO

2

RR

2

ES

1

MT

1

PA

1

TO

1

Por cargo

Dep. federal

 

39

Senador

24

Outros

21

Ministro

8

Governador

3

Prefeito

2

Min. do TCU

1

0

30

2017

Até o momento, quatro acordos de delação já foram firmados no ano. A expectativa é que outros políticos e empreiteiras acertem suas colaborações nos próximos meses

4

Out.14

Dilma Rousseff é eleita em segundo turno contra Aécio Neves por 51,6% a 48,4% dos votos, menor margem da história

Mar.15

Primeira grande manifestação popular contra o governo de Dilma Rousseff ocorre em várias cidades brasileiras

Nov.15

Pela primeira vez, STF manda prender um senador no exercício do mandato, Delcídio do Amaral, que acaba virando delator

Dez.15

Eduardo Cunha acata pedido de impeachment contra a presidente Dilma, e processo começa a tramitar no Congresso

Mar.16

Ex-presidente Lula é levado de forma coercitiva a depor em ação da Lava Jato e acusa a operação de persegui-lo

 

Maior ato político do país, protesto contra Dilma Rousseff reúne 500 mil pessoas na avenida Paulista, segundo o Datafolha

 

Lula aceita convite de Dilma para ser ministro; no mesmo dia, o juiz Sergio Moro divulga conversa grampeada entre eles

Abr.16

Câmara autoriza a abertura do processo de impeachment contra Dilma com 367 votos favoráveis e 137 contrários

Mai.16

Ministro do STF Teori Zavascki determina o afastamento de Eduardo Cunha do mandato de deputado federal

 

Senado autoriza processo contra Dilma e determina que seja afastada da Presidência; Michel Temer assume interinamente

Ago.16

Dilma tem o mandato cassado pelo Senado, mas mantém o direito de exercer funções públicas; Temer assume efetivamente

Out.16

Eduardo Cunha é detido em Brasília por decisão do juiz Sergio Moro e levado para o Paraná, onde permanece preso até hoje

Dez.16

Pessoas ligadas à Odebrecht, a maioria ex-executivos, assinam acordos de delação que seriam validados pelo STF no início de 2017

Jan.17

Relator dos processos da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki morre aos 68 anos após queda de avião em Paraty (RJ)

Fev.17

Ministro Edson Fachin, então o mais novato no STF, é sorteado e assume a relatoria dos processos da Lava Jato na corte

Abr.17

Fachin retira o sigilo das delações da Odebrecht, que são divulgadas em vídeo, e autoriza a abertura de investigações

PARA ONDE AINDA PODE IR

Delações da Odebrecht e novos depoimentos tornam imprevisíveis os desdobramentos da Lava Jato

NOVOS DELATORES

As delações de João Santana e de sua mulher, Mônica Moura, devem tratar de caixa dois em campanhas do PT. Sérgio Cabral, Eduardo Cunha e Antonio Palocci são apontados como possíveis delatores

ESCALA SEM FIM

Entre as empresas, cresce a expectativa pela possível delação de Léo Pinheiro, da OAS, que teve a negociação suspensa em 2016. Executivos da Andrade Gutierrez devem complementar seus depoimentos

2018 É LOGO ALI

Presidenciáveis como Lula, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra foram citados pela Odebrecht. O petista já é réu em três ações na Lava Jato e pode ser julgado antes das eleições de 2018

 

BRASIL AFORA

Além de abrir inquéritos, o ministro do STF Edson Fachin remeteu 201 casos para instâncias judiciais inferiores em 20 Estados e no Distrito Federal; o Paraná concentra o maior número de petições

E AGORA

O QUE ACONTECE

Os pedidos de investigação foram feitos pela Procuradoria-Geral da República ao relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin

Procuradoria

Geral da

República

Cada pedido relatou fatos e pessoas que poderiam ser investigados. A Procuradoria também indicou o foro adequado para tratar do caso: no STF ou em outras instâncias

FASE 1

Fachin decidiu se as investigações deveriam ser abertas ou arquivadas e quais seriam encaminhadas para outras instâncias

Citado

Arquivado

Aberto

Instâncias

STF (Supremo Tribunal Federal): senadores, deputados federais e ministros

STJ (Superior Tribunal de Justiça): governadores, e conselheiros de tribunal de contas

TRF (Tribunal Regional Federal): prefeitos e deputados estaduais

Justiça Federal, todas as demais pessoas sem foro privilegiado

Os investigados no Supremo estão nesta fase

FASE 2

Os investigadores juntam provas para saber se há indícios de autoria dos crimes. Eles podem apresentar denúncias, se entenderem que há indícios suficientes, ou pedir o arquivamento do inquérito

Investigado

Arquivado

Denúncia

FASE 3

Após a denúncia ser apresentada, o STF decide se ela será aceita, o que torna o denunciado réu, ou rejeitada

Denunciado

Rejeitada

Aceita

FASE 4

Os réus serão julgados pela 2ª turma do STF, a qual pertence Fachin. Possíveis julgamentos dos presidentes da Câmara e do Senado ocorrerão no plenário

Réu

Inocente

Culpado

2014

A operação começou no Paraná com uma investigação sobre doleiros e operadores. Logo chegou a um ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Políticos e empreiteiros foram delatados por Costa e pelo doleiro Alberto Youssef, ampliando o foco das investigações

12

Acordos de delação premiada da Lava Jato

Alberto Youssef

Explicou em depoimento como funcionava o esquema e mencionou dirigentes da Petrobras, empreiteiras e políticos como José Dirceu (PT) e Eduardo Cunha (PMDB)

Paulo Roberto Costa

Primeiro delator da Lava Jato, contou que recebeu propina da Odebrecht, citou os senadores do PMDB Renan Calheiros e Romero Jucá e originou uma série de outras delações

2015

As delações do ano anterior deram origem a investigações de 50 políticos, mas até hoje apenas cinco tornaram-se réus por decisão do STF. O conteúdo das delações do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, e do lobista Julio Camargo vieram a público

33

Ricardo Pessoa

O empreiteiro citou quase 20 políticos, entre eles os petistas Dilma Rousseff, Lula e Fernando Haddad, além do ex-presidente Fernando Collor (PTC)

Julio Camargo

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) foi o principal citado pelo lobista, que revelou pagamentos de propina em contratos da Petrobras

2014

As delações do ex-senador Delcídio do Amaral, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de representantes da empreiteira Andrade Gutierrez mencionaram dezenas de políticos. Além dos já citados, apareceram o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB)

106

Hilberto Mascarenhas

O delator disse que um departamento da empresa movimentou cerca de US$ 3,4 bilhões de 2006 a 2014 em pagamentos a políticos e empresários

Emílio e Marcelo

Odebrecht (foto)

Patriarca e herdeiro da empresa, eles relataram décadas de relacionamento com a elite política do país e várias ilegalidades cometidas em contratos com governos e campanhas eleitorais

DELATORES DA ODEBRECHT

As 78 delações da Odebrecht que vieram a público este mês foram firmadas no fim de 2016. O conteúdo delas resultou na abertura de 76 inquéritos para investigar no STF 98 políticos ou nomes ligados a eles. No total, foram citadas mais de 400 pessoas, que podem ser investigadas em outras instâncias judiciais

Balanço dos investigados no STF

Por partido

PT

20

PMDB

17

PSDB

13

PP

9

PSD

6

DEM

5

PR

4

PSB

4

PCdoB

3

PRN

3

PMN

1

PPS

1

PTC

1

PTdoB

1

SD

1

Por Estado

SP

17

BA

12

RJ

8

AM

5

PE

5

RS

5

SC

4

AL

3

MG

3

RN

3

AC

2

CE

2

GO

2

MA

2

MS

2

PB

2

PI

2

0

PR

2

RO

2

RR

2

ES

1

MT

1

PA

1

TO

1

Por cargo

Dep. federal

 

39

Senador

24

Outros

21

Ministro

8

Governador

3

Prefeito

2

Min. do TCU

1

0

30

2017

Até o momento, quatro acordos de delação já foram firmados no ano. A expectativa é que outros políticos e empreiteiras acertem suas colaborações nos próximos meses

4

Out.14

Dilma Rousseff é eleita em segundo turno contra Aécio Neves por 51,6% a 48,4% dos votos, menor margem da história

Mar.15

Primeira grande manifestação popular contra o governo de Dilma Rousseff ocorre em várias cidades brasileiras

Nov.15

Pela primeira vez, STF manda prender um senador no exercício do mandato, Delcídio do Amaral, que acaba virando delator

Dez.15

Eduardo Cunha acata pedido de impeachment contra a presidente Dilma, e processo começa a tramitar no Congresso

Mar.16

Ex-presidente Lula é levado de forma coercitiva a depor em ação da Lava Jato e acusa a operação de persegui-lo

 

Maior ato político do país, protesto contra Dilma Rousseff reúne 500 mil pessoas na avenida Paulista, segundo o Datafolha

 

Lula aceita convite de Dilma para ser ministro; no mesmo dia, o juiz Sergio Moro divulga conversa grampeada entre eles

Abr.16

Câmara autoriza a abertura do processo de impeachment contra Dilma com 367 votos favoráveis e 137 contrários

Mai.16

Ministro do STF Teori Zavascki determina o afastamento de Eduardo Cunha do mandato de deputado federal

 

Senado autoriza processo contra Dilma e determina que seja afastada da Presidência; Michel Temer assume interinamente

Ago.16

Dilma tem o mandato cassado pelo Senado, mas mantém o direito de exercer funções públicas; Temer assume efetivamente

Out.16

Eduardo Cunha é detido em Brasília por decisão do juiz Sergio Moro e levado para o Paraná, onde permanece preso até hoje

Dez.16

Pessoas ligadas à Odebrecht, a maioria ex-executivos, assinam acordos de delação que seriam validados pelo STF no início de 2017

Jan.17

Relator dos processos da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki morre aos 68 anos após queda de avião em Paraty (RJ)

Fev.17

Ministro Edson Fachin, então o mais novato no STF, é sorteado e assume a relatoria dos processos da Lava Jato na corte

Abr.17

Fachin retira o sigilo das delações da Odebrecht, que são divulgadas em vídeo, e autoriza a abertura de investigações

PARA ONDE AINDA PODE IR

Delações da Odebrecht e novos depoimentos tornam imprevisíveis os desdobramentos da Lava Jato

NOVOS DELATORES

As delações de João Santana e de sua mulher, Mônica Moura, devem tratar de caixa dois em campanhas do PT. Sérgio Cabral, Eduardo Cunha e Antonio Palocci são apontados como possíveis delatores

ESCALA SEM FIM

Entre as empresas, cresce a expectativa pela possível delação de Léo Pinheiro, da OAS, que teve a negociação suspensa em 2016. Executivos da Andrade Gutierrez devem complementar seus depoimentos

2018 É LOGO ALI

Presidenciáveis como Lula, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra foram citados pela Odebrecht. O petista já é réu em três ações na Lava Jato e pode ser julgado antes das eleições de 2018

 

BRASIL AFORA

Além de abrir inquéritos, o ministro do STF Edson Fachin remeteu 201 casos para instâncias judiciais inferiores em 20 Estados e no Distrito Federal; o Paraná concentra o maior número de petições

E AGORA

O QUE ACONTECE

Os pedidos de investigação foram feitos pela Procuradoria-Geral da República ao relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin

Procuradoria

Geral da

República

Cada pedido relatou fatos e pessoas que poderiam ser investigados. A Procuradoria também indicou o foro adequado para tratar do caso: no STF ou em outras instâncias

FASE 1

Fachin decidiu se as investigações deveriam ser abertas ou arquivadas e quais seriam encaminhadas para outras instâncias

Citado

Arquivado

Aberto

Instâncias

STF (Supremo Tribunal Federal): senadores, deputados federais e ministros

STJ (Superior Tribunal de Justiça): governadores, e conselheiros de tribunal de contas

TRF (Tribunal Regional Federal): prefeitos e deputados estaduais

Justiça Federal, todas as demais pessoas sem foro privilegiado

Os investigados no Supremo estão nesta fase

FASE 2

Os investigadores juntam provas para saber se há indícios de autoria dos crimes. Eles podem apresentar denúncias, se entenderem que há indícios suficientes, ou pedir o arquivamento do inquérito

Investigado

Arquivado

Denúncia

FASE 3

Após a denúncia ser apresentada, o STF decide se ela será aceita, o que torna o denunciado réu, ou rejeitada

Denunciado

Rejeitada

Aceita

FASE 4

Os réus serão julgados pela 2ª turma do STF, a qual pertence Fachin. Possíveis julgamentos dos presidentes da Câmara e do Senado ocorrerão no plenário

Réu

Inocente

Culpado

2014

A operação começou no Paraná com uma investigação sobre doleiros e operadores. Logo chegou a um ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Políticos e empreiteiros foram delatados por Costa e pelo doleiro Alberto Youssef, ampliando o foco das investigações

Paulo Roberto Costa

Primeiro delator da Lava Jato, contou que recebeu propina da Odebrecht, citou os senadores do PMDB Renan Calheiros e Romero Jucá e originou uma série de outras delações

12

Acordos de delação premiada da Lava Jato

Alberto Youssef

Explicou em depoimento como funcionava o esquema e mencionou dirigentes da Petrobras, empreiteiras e políticos como José Dirceu (PT) e Eduardo Cunha (PMDB)

2015

As delações do ano anterior deram origem a investigações de 50 políticos, mas até hoje apenas cinco tornaram-se réus por decisão do STF. O conteúdo das delações do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, e do lobista Julio Camargo vieram a público

Ricardo Pessoa

O empreiteiro citou quase 20 políticos, entre eles os petistas Dilma Rousseff, Lula e Fernando Haddad, além do ex-presidente Fernando Collor (PTC)

33

Julio Camargo

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) foi o principal citado pelo lobista, que revelou pagamentos de propina em contratos da Petrobras

2017

As delações do ex-senador Delcídio do Amaral, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de representantes da empreiteira Andrade Gutierrez mencionaram dezenas de políticos. Além dos já citados, apareceram o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB)

106

Hilberto Mascarenhas

 

Emílio e Marcelo

Odebrecht (foto)

O delator disse que um departamento da empresa movimentou cerca de US$ 3,4 bilhões de 2006 a 2014 em pagamentos a políticos e empresários

Patriarca e herdeiro da empresa, eles relataram décadas de relacionamento com a elite política do país e várias ilegalidades cometidas em contratos com governos e campanhas eleitorais

DELATORES DA ODEBRECHT

As 78 delações da Odebrecht que vieram a público este mês foram firmadas no fim de 2016. O conteúdo delas resultou na abertura de 76 inquéritos para investigar no STF 98 políticos ou nomes ligados a eles. No total, foram citadas mais de 400 pessoas, que podem ser investigadas em outras instâncias judiciais

Balanço dos investigados no STF

Por partido

Por Estado

Por cargo

SP

17

PT

20

Dep. federal

 

39

BA

12

PMDB

17

Senador

24

RJ

8

PSDB

13

Outros

21

AM

5

PP

9

Ministro

8

PE

5

PSD

6

Governador

3

RS

5

DEM

5

Prefeito

2

SC

4

PR

4

Min. do TCU

1

0

30

AL

3

PSB

4

MG

3

PCdoB

3

RN

3

PRN

3

AC

2

PMN

1

CE

2

PPS

1

GO

2

PTC

1

MA

2

PTdoB

1

MS

2

SD

1

PB

2

PI

2

0

30

PR

2

RO

2

RR

2

ES

1

MT

1

PA

1

TO

1

0

30

0

30

2017

Até o momento, quatro acordos de delação já foram firmados no ano. A expectativa é que outros políticos e empreiteiras acertem suas colaborações nos próximos meses

4

Out.14

Dilma Rousseff é eleita em segundo turno contra Aécio Neves por 51,6% a 48,4% dos votos, menor margem da história

Mar.15

Primeira grande manifestação popular contra o governo de Dilma Rousseff ocorre em várias cidades brasileiras

Nov.15

Pela primeira vez, STF manda prender um senador no exercício do mandato, Delcídio do Amaral, que acaba virando delator

Dez.15

Eduardo Cunha acata pedido de impeachment contra a presidente Dilma, e processo começa a tramitar no Congresso

Mar.16

Ex-presidente Lula é levado de forma coercitiva a depor em ação da Lava Jato e acusa a operação de persegui-lo

 

Maior ato político do país, protesto contra Dilma Rousseff reúne 500 mil pessoas na avenida Paulista, segundo o Datafolha

 

Lula aceita convite de Dilma para ser ministro; no mesmo dia, o juiz Sergio Moro divulga conversa grampeada entre eles

Abr.16

Câmara autoriza a abertura do processo de impeachment contra Dilma com 367 votos favoráveis e 137 contrários

Mai.16

Ministro do STF Teori Zavascki determina o afastamento de Eduardo Cunha do mandato de deputado federal

 

Senado autoriza processo contra Dilma e determina que seja afastada da Presidência; Michel Temer assume interinamente

Ago.16

Dilma tem o mandato cassado pelo Senado, mas mantém o direito de exercer funções públicas; Temer assume efetivamente

Out.16

Eduardo Cunha é detido em Brasília por decisão do juiz Sergio Moro e levado para o Paraná, onde permanece preso até hoje

Dez.16

Pessoas ligadas à Odebrecht, a maioria ex-executivos, assinam acordos de delação que seriam validados pelo STF no início de 2017

Jan.17

Relator dos processos da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki morre aos 68 anos após queda de avião em Paraty (RJ)

Fev.17

Ministro Edson Fachin, então o mais novato no STF, é sorteado e assume a relatoria dos processos da Lava Jato na corte

Abr.17

Fachin retira o sigilo das delações da Odebrecht, que são divulgadas em vídeo, e autoriza a abertura de investigações

PARA ONDE AINDA PODE IR

Delações da Odebrecht e novos depoimentos tornam imprevisíveis os desdobramentos da Lava Jato

2018 É LOGO ALI

Presidenciáveis como Lula, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra foram citados pela Odebrecht. O petista já é réu em três ações na Lava Jato e pode ser julgado antes das eleições de 2018

 

NOVOS DELATORES

As delações de João Santana e de sua mulher, Mônica Moura, devem tratar de caixa dois em campanhas do PT. Sérgio Cabral, Eduardo Cunha e Antonio Palocci são apontados como possíveis delatores

 

ESCALA SEM FIM

Entre as empresas, cresce a expectativa pela possível delação de Léo Pinheiro, da OAS, que teve a negociação suspensa em 2016. Executivos da Andrade Gutierrez devem complementar seus depoimentos

BRASIL AFORA

Além de abrir inquéritos, o ministro do STF Edson Fachin remeteu 201 casos para instâncias judiciais inferiores em 20 Estados e no Distrito Federal; o Paraná concentra o maior número de petições

E AGORA

O QUE ACONTECE

Instâncias

Os pedidos de investigação foram feitos pela Procuradoria-Geral da República ao relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin

STF (Supremo Tribunal Federal): senadores, deputados federais e ministros

FASE 1

Aberto

STJ (Superior Tribunal de Justiça): governadores, e conselheiros de tribunal de contas

Fachin decidiu se as investigações deveriam ser abertas ou arquivadas e quais seriam encaminhadas para outras instâncias

Cada pedido relatou fatos e pessoas que poderiam ser investigados. A Procuradoria também indicou o foro adequado para tratar do caso: no STF ou em outras instâncias

Arquivado

Procuradoria

Geral da

República

TRF (Tribunal Regional Federal): prefeitos e deputados estaduais

Justiça Federal, todas as demais pessoas sem foro privilegiado

Citado

Os investigados no Supremo estão nesta fase

FASE 2

FASE 3

Denúncia

Aceita

Os investigadores juntam provas para saber se há indícios de autoria dos crimes. Eles podem apresentar denúncias, se entenderem que há indícios suficientes, ou pedir o arquivamento do inquérito

Após a denúncia ser apresentada, o STF decide se ela será aceita, o que torna o denunciado réu, ou rejeitada

Arquivado

Rejeitada

Investigado

Denunciado

FASE 4

Os réus serão julgados pela 2ª turma do STF, a qual pertence Fachin. Possíveis julgamentos dos presidentes da Câmara e do Senado ocorrerão no plenário

Réu

Inocente

Culpado