ciência

Como está o Museu Nacional um ano depois

O incêndio destruiu ou danificou 17 das 37 coleções que guardavam conhecimentos coletados ao longo de dois séculos. Desde então, cientistas e alunos tentam salvar o acervo atingido, coletar itens para recompor coleções e retomar os estudos

Júlia Barbon, Marcelo Pliger e Simon Ducroquet

  • Compartilhamento Especial

    Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha

O museu foi cercado por tapumes de metal, e foram colocados contêineres para funcionarem como laboratórios e depósitos. A antiga garagem virou espaço de triagem de objetos

Fotos Marcelo Pliger

No incêndio, os dois andares e o telhado desabaram, transformando o edifício em um “esqueleto” com pilhas de escombros dentro

Incêndio no Museu Nacional

Uanderson Fernandes/Folhapress

Por isso, foi instalada uma cobertura provisória para evitar a chuva e as paredes foram escoradas

O incêndio causou estragos de diferentes intensidades em cada área do museu. Na maior parte das salas, o reboco foi consumido e o piso de madeira queimou e desabou. Vigas de aço que sustentavam os pavimentos ficaram retorcidas. Hoje, a maioria dos escombros já foi retirada.

A entrada foi pouco atingida. O meteorito Bendegó, dois quadros e uma balaustrada sobreviveram. As lajes dessa área, que não desmoronaram, agora são sustentadas por estruturas de madeira

Quase todas as janelas, portas e escadas de madeira se perderam. A escada central, de mármore, resistiu ao fogo

Nesta sala, o fóssil de uma árvore da Antártica permaneceu onde estava. Os escombros foram removidos de cima dela, e os pesquisadores agora estudam uma maneira de retirá-la

No fundo do bloco da frente, armários que guardavam peças em um mezanino no 3º piso ficaram presos em vigas, o que os salvou do desabamento e esmagamento

O jardim interno foi uma das poucas áreas bastante preservadas. Parte das folhas e galhos ficou queimada, mas a maioria sobreviveu

Nestes blocos, o telhado não caiu. A equipe do museu depois descobriu que eles haviam passado por manutenção recentemente

O bloco nos fundos está sendo escavado neste momento, por isso a Folha não pode ter acesso ao local. Ali, uma viga de aço derreteu a ponto de se romper

O trabalho de retirar as peças dos escombros está praticamente paralisado há dois meses, por falta de contêineres e mão-de-obra, mas deve retornar em breve

Como o resgate está sendo feito

Paleontólogos e arqueólogos, que dominam técnicas de escavação, usam pás e pincéis para remover cuidadosamente o entulho em busca de peças

Curadores responsáveis pelo conteúdo daquela sala ajudam na busca. Quando uma peça é encontrada, é fotografada e segue para a triagem em caixas

Na triagem, sobre uma mesa forrada de isopor branco, os objetos são limpos e novamente fotografados e registrados

A peça que está fragilizada é tratada nos contêineres-laboratórios (cada um recebe um tipo de material: cerâmica, tecidos, minerais e metais)

Depois que está estabilizada e em boas condições, o objeto é guardado nos contêineres de armazenamento

Quando as buscas acabarem, o material encontrado será comparado aos registros do acervo e a pesquisas; ao final será feito um relatório de tudo que foi achado ou perdido