Imagem de carregamento

Como os resultados do Ifer devem ser interpretados

1

Brancos excluídos

0,8

0,6

Dominância negra

0,4

0,2

0

Relativo equilíbrio racial

-0,2

-0,4

Dominância branca

-0,6

-0,8

Negros excluídos

-1

Ifer total

Amapá, Rondônia e Rio Grande do Norte são os estados com menor nível de desigualdade entre negros e brancos*

 

UFs mais ricas como São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro apresentam maior desequilíbrio pela cor da pele; Amazonas destoa da maioria dos estados do Norte

-0,172

Amapá

-0,212

Rondônia

-0,233

Rio Grande do Norte

-0,249

Goiás

-0,268

Mato Grosso

-0,270

Acre

-0,275

Paraíba

-0,283

Roraima

-0,285

Mato Grosso do Sul

-0,305

Distrito Federal

10º

-0,320

Sergipe

11º

-0,323

Maranhão

12º

-0,336

Pará

13º

-0,336

Minas Gerais

14º

-0,341

Espírito Santo

15º

-0,346

Tocantins

16º

-0,349

Pernambuco

17º

-0,363

Santa Catarina

18º

-0,373

Piauí

19º

-0,385

Bahia

20º

-0,388

Paraná

21º

-0,393

Alagoas

22º

-0,393

Ceará

23º

-0,406

Rio Grande do Sul

24º

-0,419

Rio de Janeiro

25º

-0,421

Amazonas

26º

-0,442

São Paulo

27º

Ifer educação

Na maior parte das UFs, persiste a desigualdade entre brancos e negros no acesso ao ensino superior

-0,217

Rondônia

-0,242

Amapá

-0,279

Goiás

-0,296

Distrito Federal

-0,301

Mato Grosso

-0,312

Paraíba

-0,316

Acre

-0,328

Rio Grande do Norte

-0,334

Roraima

-0,348

10º

Espírito Santo

-0,367

11º

Minas Gerais

-0,369

12º

Mato Grosso do Sul

-0,374

Tocantins

13º

-0,388

14º

Sergipe

-0,406

15º

Maranhão

-0,408

16º

Pernambuco

-0,409

17º

Piauí

-0,409

18º

Bahia

-0,410

19º

Pará

-0,428

20º

Santa Catarina

-0,432

21º

Rio de Janeiro

-0,462

22º

Ceará

-0,465

23º

São Paulo

-0,484

24º

Paraná

-0,496

25º

Rio Grande do Sul

-0,502

26º

Alagoas

-0,502

27º

Amazonas

Números menores do que -0,2 do Ifer Educação em todos os estados indicam que os brancos ainda estão sobrerepresentados no grupo de brasileiros com maior nível educacional

Ifer renda

Uma das faces mais severas da exclusão racial no Brasil é vista no baixo acesso de pretos e pardos ao topo da distribuição de renda nos estados

-0,300

Rondônia

-0,306

Rio Grande do Norte

-0,307

Amapá

-0,312

Goiás

-0,383

Mato Grosso do Sul

-0,405

Mato Grosso

-0,410

Paraíba

-0,423

Sergipe

-0,449

Distrito Federal

-0,450

10º

Santa Catarina

-0,461

11º

Espírito Santo

-0,471

12º

Roraima

-0,480

13º

Minas Gerais

-0,484

14º

Acre

-0,507

15º

Maranhão

-0,511

16º

Rio Grande do Sul

-0,531

17º

Pernambuco

-0,532

18º

Pará

-0,550

Bahia

19º

-0,554

20º

Paraná

-0,577

21º

Ceará

-0,578

22º

Piauí

-0,579

23º

Rio de Janeiro

-0,583

Tocantins

24º

-0,607

25º

Alagoas

26º

-0,639

São Paulo

-0,673

27º

Amazonas

Altíssima, a desigualdade entre brancos e

negros no acesso ao extrato de maior renda

em São Paulo e no Amazonas se aproxima

do nível inferior a -0,8, que indicaria

exclusão dos negros desse grupo

Ifer sobrevida

Em termos de sobrevida, que é a terceira dimensão do Ifer, a desigualdade entre negros e brancos é menor, porque o índice considera a população com 30 anos ou mais

 

0,033

Amapá

-0,011

Acre

-0,043

Roraima

-0,057

Maranhão

-0,066

Rio Grande do Norte

-0,067

Pará

-0,070

Alagoas

-0,081

Tocantins

-0,087

Amazonas

-0,097

10º

Mato Grosso

-0,103

11º

Paraíba

-0,104

12º

Mato Grosso do Sul

-0,108

Pernambuco

13º

-0,120

Rondônia

14º

-0,125

15º

Paraná

-0,131

16º

Piauí

-0,140

17º

Ceará

-0,149

Sergipe

18º

-0,157

Goiás

19º

-0,162

20º

Minas Gerais

-0,170

21º

Distrito Federal

-0,196

22º

Bahia

-0,210

Santa Catarina

23º

-0,210

Rio Grande do Sul

24º

-0,213

25º

Espírito Santo

-0,222

26º

São Paulo

-0,247

27º

Rio de Janeiro

Resultados do Ifer para sobrevida mostram que fatia de pretos e pardos que vivem tanto quanto os brancos mais longevos está perto de refletir seu peso populacional em 22 dos 27 estados

* Os cálculos de renda e sobrevida usados neste recorte do Ifer usaram como ponto de referência os valores que separam os brancos 10% mais ricos e mais idosos dos demais 90%. No caso dos estados, os dados se referem a uma média de 2017, 2018 e 2019 (usada para suavizar possíveis oscilações bruscas e pontuais nos números). Todos os cálculos consideram a população com 30 anos ou mais. Como o objetivo do índice é medir a disparidade entre brancos e negros - grupo que reúne pretos e pardos - os demais grupos raciais foram excluídos da base populacional usada.

Como os resultados do Ifer devem ser interpretados

0,2

0

0,8

0,6

-0,2

-0,4

-0,6

-0,8

-1

1

0,4

Brancos

excluídos

Dominância

negra

Relativo

equilíbrio racial

Dominância

branca

Negros

excluídos

Ifer total

Amapá, Rondônia e Rio Grande do Norte são os estados com

menor nível de desigualdade entre negros e brancos*

 

-0,172

Amapá

-0,212

Rondônia

-0,233

Rio Grande do Norte

-0,249

Goiás

-0,268

Mato Grosso

-0,270

Acre

-0,275

Paraíba

-0,283

Roraima

UFs mais ricas como

São Paulo, Rio Grande

do Sul e Rio de

Janeiro apresentam

maior desequilíbrio

pela cor da pele;

Amazonas destoa da

maioria dos estados

do Norte

-0,285

Mato Grosso do Sul

-0,305

10º

Distrito Federal

-0,320

11º

Sergipe

-0,323

12º

Maranhão

-0,336

13º

Pará

-0,336

14º

Minas Gerais

-0,341

15º

Espírito Santo

-0,346

16º

Tocantins

-0,349

17º

Pernambuco

-0,363

18º

Santa Catarina

-0,373

19º

Piauí

-0,385

20º

Bahia

-0,388

21º

Paraná

-0,393

22º

Alagoas

-0,393

23º

Ceará

-0,406

Rio Grande do Sul

24º

-0,419

25º

Rio de Janeiro

-0,421

26º

Amazonas

-0,442

27º

São Paulo

Ifer educação

Na maior parte das UFs, persiste a desigualdade entre

brancos e negros no acesso ao ensino superior

-0,217

Rondônia

-0,242

Amapá

-0,279

Goiás

-0,296

Distrito Federal

-0,301

Mato Grosso

-0,312

Paraíba

-0,316

Acre

Números menores do que -0,2 do Ifer Educação em todos os estados indicam que os brancos ainda estão sobrerepresentados no grupo de brasileiros com maior nível educacional

-0,328

Rio Grande do Norte

-0,334

Roraima

-0,348

Espírito Santo

10º

-0,367

11º

Minas Gerais

-0,369

12º

Mato Grosso do Sul

-0,374

13º

Tocantins

-0,388

14º

Sergipe

-0,406

15º

Maranhão

-0,408

16º

Pernambuco

-0,409

Piauí

17º

-0,409

18º

Bahia

-0,410

19º

Pará

-0,428

20º

Santa Catarina

-0,432

21º

Rio de Janeiro

-0,462

22º

Ceará

-0,465

23º

São Paulo

-0,484

Paraná

24º

-0,496

25º

Rio Grande do Sul

-0,502

26º

Alagoas

-0,502

27º

Amazonas

Ifer renda

Uma das faces mais severas da exclusão racial no Brasil é vista no baixo acesso de pretos e pardos ao topo da distribuição de renda nos estados

-0,300

Rondônia

-0,306

Rio Grande do Norte

-0,307

Amapá

-0,312

Goiás

-0,383

Mato Grosso do Sul

Altíssima, a

desigualdade entre

brancos e negros

no acesso ao

extrato de maior

renda em São

Paulo e no

Amazonas se

aproxima do nível

inferior a -0,8, que

indicaria exclusão

dos negros desse

grupo

-0,405

Mato Grosso

-0,410

Paraíba

-0,423

Sergipe

-0,449

Distrito Federal

-0,450

10º

Santa Catarina

-0,461

11º

Espírito Santo

-0,471

12º

Roraima

-0,480

13º

Minas Gerais

-0,484

14º

Acre

-0,507

15º

Maranhão

-0,511

16º

Rio Grande do Sul

-0,531

17º

Pernambuco

-0,532

18º

Pará

-0,550

Bahia

19º

-0,554

20º

Paraná

-0,577

21º

Ceará

-0,578

Piauí

22º

-0,579

23º

Rio de Janeiro

-0,583

24º

Tocantins

-0,607

25º

Alagoas

-0,639

26º

São Paulo

-0,673

27º

Amazonas

Ifer sobrevida

Em termos de sobrevida, que é a terceira dimensão do Ifer,

a desigualdade entre negros e brancos é menor, porque o índice

considera a população com 30 anos ou mais

0,033

Amapá

-0,011

Acre

-0,043

Roraima

-0,057

Maranhão

-0,066

Rio Grande do Norte

-0,067

Pará

Resultados do Ifer para sobrevida mostram que fatia de pretos e pardos que vivem tanto quanto os brancos mais longevos está perto de refletir seu peso populacional em 22 dos 27 estados

-0,070

Alagoas

-0,081

Tocantins

-0,087

Amazonas

-0,097

Mato Grosso

10º

-0,103

Paraíba

11º

-0,104

Mato Grosso do Sul

12º

-0,108

Pernambuco

13º

-0,120

Rondônia

14º

-0,125

15º

Paraná

-0,131

Piauí

16º

-0,140

Ceará

17º

-0,149

18º

Sergipe

-0,157

Goiás

19º

-0,162

Minas Gerais

20º

-0,170

21º

Distrito Federal

-0,196

Bahia

22º

-0,210

Santa Catarina

23º

-0,210

Rio Grande do Sul

24º

-0,213

Espírito Santo

25º

-0,222

26º

São Paulo

-0,247

Rio de Janeiro

27º

* Os cálculos de renda e sobrevida usados neste recorte do Ifer usaram como ponto de referência os valores que separam os brancos 10% mais ricos e mais idosos dos demais 90%. No caso dos estados, os dados se referem a uma média de 2017, 2018 e 2019 (usada para suavizar possíveis oscilações bruscas e pontuais nos números). Todos os cálculos consideram a população com 30 anos ou mais. Como o objetivo do índice é medir a disparidade entre brancos e negros - grupo que reúne pretos e pardos - os demais grupos raciais foram excluídos da base populacional usada.

Folha