Os Americanos: Rancor impulsiona Trump rumo à reeleição nos EUA - Mundo - Folha de S.Paulo

Os AmericanosOs anos Trump

A Folha percorreu de carro 4 estados do Cinturão da Ferrugem, região crucial para decidir se o líder mais controverso da história dos EUA segue na Casa Branca

Rancor impulsiona Trump rumo à reeleição nos EUA

Marina Dias e Lalo de Almeida

Meio-Oeste dos EUAJudy Phelps, uma assistente social de 71 anos da Pensilvânia, votou duas vezes em Barack Obama. Em 2016, dizendo-se cansada dos políticos tradicionais e sentindo-se desamparada por eles, apoiou Donald Trump.

Votos como o dela se espalharam por todo o Cinturão da Ferrugem, área industrial de tradição democrata que mudou de lado e determinou a vitória do hoje presidente dos Estados Unidos.

O fenômeno, comum a muitos outros americanos de classe média, deve se consolidar na eleição do ano que vem.

Inspirada pelo fotógrafo suíço Robert Frank, que rodou os Estados Unidos num Ford Business Coupe em meados dos anos 1950, a Folha percorreu de carro, durante 11 dias, quatro estados da região que em 2020 será outra vez decisiva.

As imagens de Frank na obra “The Americans” mostravam a dilacerante realidade do país em contraste com o otimismo do sonho americano propagado pela TV naquela época.

Na estrada em um Ford (Fiesta), também vimos paradoxos. Cruzamos com grevistas que movimentaram os EUA em outubro, comunidades esquecidas em meio a minas de carvão e mulheres tão centradas na própria realidade que não imaginam que, em uma cidade próxima ao clube que frequentam, pessoas precisam formar fila para receber comida e água potável.

A pouco menos de um ano do pleito, Trump segue forte na região rumo a uma segunda vitória, enquanto os democratas estão desanimados diante da reedição de problemas que empurraram Hillary Clinton à amarga derrota em 2016.

Apoiador de Donald Trump no comitê do Partido Republicano em Erie, Ohio
Apoiador de Donald Trump no comitê do Partido Republicano em Erie, Ohio

Apoiador de Donald Trump no comitê do Partido Republicano em Erie, Ohio - Lalo de Almeida/Folhapress

Muito ainda pode se mover no tabuleiro político americano, mas até aqui o presidente conseguiu unificar seu discurso no Meio-Oeste do país.

Do dono da mina de carvão na Pensilvânia ao jovem sem-teto de Wisconsin, muitos repetem que Trump deve ser reeleito porque a economia vai bem e, caso a oposição vença, os Estados Unidos serão levados ao socialismo.

Democratas, por sua vez, dividem-se em dois grupos: os que não veem motivos para ir às urnas e os que ameaçam se abster caso não gostem do candidato do partido –e aqui se vê a repetição dos que negaram Hillary.

Encontramos a apatia do primeiro grupo entre os que dependem de doações de água e comida em Flint, no interior de Michigan, e a rebeldia do segundo num comício de Bernie Sanders, em Detroit, o maior município do estado.

O senador por Vermont e sua colega de Congresso, Elizabeth Warren, são os que motivam um pouco mais a oposição no Cinturão da Ferrugem.

O ex-vice-presidente Joe Biden, centrista e favorito nas pesquisas, é forte nesses estados, mas ainda não mostra vantagem segura sobre o republicano para ser considerado uma certeza pelos democratas.

Para ganhar a eleição, Trump precisa manter esse termômetro em meio ao avanço do processo de impeachment e à sua baixa popularidade –ele perdeu fôlego em subúrbios conservadores, como os de Kentucky e da Virgínia.

Mas, num país onde o voto não é obrigatório e o comando da Casa Branca é definido pelo sistema indireto do Colégio Eleitoral, a atmosfera do Cinturão da Ferrugem parece outra vez propícia ao presidente.

Texto: Marina Dias / Fotografia: Lalo de Almeida / Infografia: Catarina Pignato / Edição de fotografia: Fernando Sciarra, Lalo de Almeida e Daigo Oliva / Edição e revisão de texto: Daigo Oliva e Beatriz Peres / Tratamento de imagem: Edson Salles / Desenvolvimento: Pilker / Design: Fernando Sciarra e Irapuan Campos / Coordenação de arte: Kleber Bonjoan e Thea Severino / Edição e coordenação: Daigo Oliva